Documentos ecossocialistas


Ecossaudauções e bem vindos (as) à nossa causa

  Este site foi criado para disponibilizar documentos e declarações sobre ecossocialismo e a luta socialista em geral. Publicaremos toda uma variedade de contribuições à causa ecológica e socialista.

 Joel Kovekl, um dos papas do ecossocialismo apoia e participa do Occupy Wall Street,  falando do capitalismo e suas barbáries, em novembro de 2011. Segue o texto da fala do Joel.

Transcript

I am honored to be here this evening. Because you are the light of the world. I’m not saying this to flatter, but because we have to understand it deeply. Your genius has been to seize upon the emerging hopes of humanity and give them a form of realization. Now you are on the threshold of a world-transforming process, and you must decide whether to cross over it.

Most of you have been spurred to come here by economic and political injustice: vicious indebtedness, precarious employment or unemployment, a nightmarish rise in inequality of wealth. In short, the workings of a system that is corrupt, manifestly broken and, it seems, in terminal crisis. But that is just one side of the problem, and, I fear, the lesser side.

The brutal fact of the other side is that our planetary ecology is breaking down climate change, species loss, widening circles of pollution are some of its marks. All this, and more, testifies to an ecological crisis of unprecedented proportion that threatens the future of civilization, and even the extinction of our species along with many others.

It is the greatest challenge in all human history.

To meet it we need to begin with a basic truth: that the same system which causes economic and political injustice also causes ecological breakdown.

It follows that to understand and change both sides of our predicament, we need to be able to name and understand this system–and first of all to see it as a system and to understand its root, so that we can uproot it.

The system, in a word, is capitalism.

Capitalism is more than the set of corporations, though corporations are among its instruments. It is a deep-seated ailment in the human condition that centers around the conversion of everything to money and lives from the expansion of money, or profit, which becomes capital itself. This expansion is inherently endless, because money is number, and number has no limit.

We call this capital’s accumulation; and it is the supreme value of the capitalist system. To accumulate, capital has to start somewhere. This takes place in something called a Commons.

A Commons is a portion of nature collectively worked on and enjoyed by people. When the capitalist class takes control of the Commons, it’s called an enclosure. Thus the history of capitalism can be written as an ongoing and expanding series of enclosures–and the struggles against this.

When the European settlers came here they saw that the Indians were communists who lived according to the Commons. This aroused their vampire-like greed and so they set out on a path of destruction and possession. They enclosed the Commons, put walls around it, and converted it to private property and yes, Wall Street is named for a real wall built on the actual site of today’s street.

It defined an enclosure built to “wall off” the Algonquin Indians and keep them out of the settler’s way. This can be said to be the launching point of capitalism in North America it has grown into the metastasizing cancer known as Finance Capital you see all around you, extending everywhere to the outer limits of empire, and into the depths of our souls. Indeed, the name, Wall Street, has come to mean capitalism itself.

So you see, when you occupy Wall Street you are truly reversing the enclosure of Commons and tearing at the very root of capitalism. Welcome to the Indian Nation!

And this, friends, is the secret to your stroke of genius that makes you the light of the world. If we are faithful to this lesson we can transform society, bring about justice for all, and overcome the ecological crisis. For you have created a pathway of “commoning.”

Your space of occupation is both a site of resistance and a site of production. This dual nature is what gives strength and resilience to your movement and ignites the spark to inspire the whole world. Even as you have been inspired by other examples of creative commoning.

Now a resistant and productive commons is itself a flourishing, integral ecosystem; and the building ground for healing and restoring other ecosystems. It is implied in what Karl Marx wrote in 1848–-and I hope you are not ashamed to learn from Karl Marx–that we will build “an association in which the free development of each is the condition for the free development of all.”

Therefore freedom is the essential condition for a society beyond capitalism. An association of free people will take care of nature because they see themselves as part of nature. They will struggle for a new world based on a new kind of production that gives nature intrinsic value. They will develop the tools for overcoming and healing the cancer of accumulation and the ecological crisis it generates. Such a society will be in harmony with nature and not nature’s enemy.

I would call it “ecosocialism.”

And I hope you will join in its building. The task is fantastically difficult. But once you realize that you are not here to want what they want you to want: to help out the Democratic party; to get a seat at the big table; to rationalize the deadly regime of accumulation…

New choices open before you. And this is the one for the flourishing of life. Neither are you here to want what I want you to want. You are here to seize the day whose dawning you have brought about, and to direct it into the future.

Much study lies ahead; much frustration, indeed, much sacrifice…but also much joy, once you accept the truth that the old order is dying and the faith that a new one can be born. 

«El socialisme i l’ecologia es necessiten per construir una societat més justa i duradora»

Entrevista a Michael Löwy, pensador marxista i promotor de l’ecosocialisme

diumenge 18 de desembre de 2011

[català]

Per El Triangle

Nascut a Sao Paulo, però instal·lat a París, és autor d’una vintena d’obres, moltes vinculades a la sociologia. Afirma que la crisi ecològica és més important que l’econòmica.

Com valora la crisi actual?És la més greu des del crac del 29, fet que demostra la irracionalitat del sistema i de les suposades mesures per contenir-la. Si als anys trenta Franklin D. Roosevelt va afrontar la crisi amb el New Deal, i efectivament va funcionar en crear llocs de treball mitjançant la millora de la salut, l’educació, la cultura i l’ajuda als sindicats, ara això no es produeix. Davant la lògica de la religió neoliberal, se’ns proposa com a alternativa salvar els bancs, els grans responsables de la crisi, mentre qui en paga els costos són els treballadors a força de retallar els salaris, les pensions, l’educació, la salut i altres puntals de l’Estat del benestar.

Som a les portes de la fi del capitalisme?Hi discrepo, perquè sempre ha trobat maneres de sortir-se’n, fins i tot amb la guerra o el feixisme, com va passar als anys trenta a Europa. Cal recordar el filòsof Walter Benjamin, quan en la postguerra, després de viure la crisi del 29 i els episodis posteriors a Alemanya, va dir: «La nostra generació ha après una lliçó: el capitalisme mai no morirà de mort natural. Només ho farà quan hi hagi una acció col·lectiva que ens porti a una nova forma de vida».

Amb l’extensió global d’aquest model predador, la situació és més preocupant?L’únic cert és que tenim una democràcia de baixa intensitat, i l’elecció de tecnòcrates a Itàlia i a Grècia ho demostra. Estan a les mans del Banc Central Europeu i dels inversors de Goldman Sachs. Insisteixo, però, en les paraules de Benjamin, per a qui el capitalisme tendeix a salvar-se encara que això passi perquè la gent en pagui les conseqüències.

Quin abast tindrà la recessió econòmica?Més important que la crisi econòmica, és l’ecològica, resultat de l’expansió infinita del model productivista i de consum. El capitalisme sense expansió és com un cocodril vegetarià, incompatible. Això ens du a un desastre ambiental que ja es manifesta amb l’augment de la contaminació de l’aigua, de l’aire i, com a expressió més profunda, amb l’escalfament global, que ens pot dur a una catàstrofe humana sense precedents.

A quin nivell?Aquella màxima segons la qual «tenim una responsabilitat amb les generacions que encara no han nascut» ja no és així. La catàstrofe ha començat i afectarà la generació de joves actual. Experts científics de la NASA, com James Hansen, han pronosticat que, en tan sols deu anys, el procés serà irreversible i, quan el planeta superi en 2 graus la seva temperatura, anirem cap a la desertificació. Es preveu que el desert del Sàhara pugui arribar a les portes de Roma, amb la consegüent desaparició de l’aigua potable a mitjà termini.

Cada vegada més, la lluita pels recursos serà el motiu dels conflictes bèl·lics?Tot pivotarà al voltant d’aquestes demandes. Sense oblidar els efectes de l’elevació del nivell del mar per la fosa dels pols Antàrtic i de Grenlàndia. També ha arribat més aviat del previst, i si puja més d’un metre, es calcula que les principals ciutats del planeta, com ara Nova York, Londres, Barcelona o Hong Kong, quedaran negades. Ens hi apropem sense que els governs neoliberals prenguin les mesures adequades per frenar-ho.

Amb la fi del petroli, què pot passar?Provocarà que el capitalisme vagi a extreure els fòssils inaccessibles. Ja hi ha operacions per obtenir-ne en àrees del Canadà o en alta mar que provoquen l’emissió de gasos contaminants o el vessament d’una gran quantitat d’oli a les aigües. I després hi ha el carbó, l’extracció del qual encara té molt de recorregut. Malauradament, cap país instal·lat en aquesta lògica productivista no hi vol renunciar.

La conferència de Durban, en què les ONG reclamen el respecte pels acords de Kyoto, pot corregir aquesta tendència o serà un nou brindis al sol?No hi ha marge per a l’optimisme, ja que els participants són precisament els actors del capital. Com a màxim, hi haurà dos o tres governs, com els de Bolívia o l’Equador, que protestaran. Passarà com en la cimera de Copenhaguen, d’on va sortir una declaració retòrica de bones intencions que no anava a l’arrel del problema. Reconeixeran que no podem superar certs llindars, però no les conseqüències del model actual ni que, per evitar el desastre derivat de la combustió, cal apostar per les energies renovables.

La tercera via promulgada per Tony Blair, que bona part de la socialdemocràcia europea va seguir, no pretenia reformes estructurals. Aquest ha estat l’error?La socialdemocràcia i els Verds han acceptat el neoliberalisme i només han pretès introduir-hi correccions que no suposen la seva transformació per impedir el desastre. L’autolimitació ha estat nefasta. Ho hem vist amb Blair, Schröder, Papandreu o Rodríguez Zapatero. És una variant del neoliberalisme menys reaccionària que la de la dreta, però que no canvia en el fonamental. De manera que és incapaç de resoldre una crisi que, per part de l’esquerra més transformadora, ha de tenir molt present l’ecologia.

Potser hi ha hagut una interpretació perversa de conceptes com desenvolupament sostenible o progrés?En el seu inici, la filosofia segons la qual el desenvolupament havia de ser respectuós amb el medi era molt interessant. Però aviat el Banc Mundial i els governs conservadors se la van apropiar. Ens cal una nova perspectiva que condueixi a un canvi on es posi en qüestió els fonaments d’un capitalisme que ens du a l’abisme.

De moment, sembla que els plantejaments són més reactius que propositius...Els moviments de protesta, entre els quals, l’esquerra radical, són en la seva gènesi expressions de la indignació contra la dictadura del PUM (Partit Únic del Mercat), del sistema financer i del cinisme de l’1% que ho controla tot. Això provoca un rebuig, i com a resultat d’això, s’ha obert un espai per al debat i l’assaig de diverses alternatives sobre la base del bé comú i que «un altre món és possible».

Vostè aposta per l’anomenat ecosocialisme. En què consisteix?És una manera de construir el socialisme en la qual, a diferència dels models dels segles XIX i XX, l’ecologia esdevé una part troncal. Comparteix els principis de la defensa dels serveis públics, de l’abolició del deute extern, de la nacionalització de la banca o de la creació d’un servei públic de crèdit, però posa l’accent en la dimensió ecològica de l’activitat política, econòmica i social.

Quina lectura fa del marxisme?Defensa que el socialisme i l’ecologia es necessiten per construir una societat més justa i duradora. Es tracta, al capdavall, de superar el vell esquema pel qual la propietat privada se substitueix per la propietat col·lectiva a fi que les forces productives puguin desenvolupar-se amb llibertat. Per l’ecosocialisme, a més de les relacions de producció, també cal canviar les forces productives del capitalisme, perquè, com s’ha demostrat, són enemigues directes de la naturalesa.

És una concepció més radical?Sí, perquè significa modificar el paradigma de la civilització occidental moderna, canviant el model de consum i els sistemes energètics de transport. Això vol dir substituir el gas, el petroli, el carbó i l’energia atòmica pel vent, pel sòl, per l’aigua, per la biomassa i per altres energies netes. Cal, doncs, un nou sistema de producció, que ja no tindrà per finalitat crear més mercaderies d’«obsolescènia inherent», com deia Herbert Marcuse, sinó béns d’ús en què els aparells durin molts més anys i es puguin arreglar.

A l’Amèrica Llatina l’esquerra comença a bastir el que s’anomena socialisme del segle XXI. Té algun tipus d’analogia amb la seva proposta?En efecte. A Veneçuela, a Bolívia, a l’Equador o al Perú, entre altres països, l’esquerra està posant en pràctica aquest intent d’avançar cap a un socialisme ecològic, contradient aquella tesi que, després de la caiguda del Mur, professava la fi del socialisme i de les utopies, i que Margaret Thatcher va reblar amb la frase There is no alternative. A Europa, en canvi, encara falta que s’articulin políticament aquestes experiències de govern.

També cal un canvi cultural, no troba?Aquest canvi, l’haurà de decidir la població a partir d’una discussió democràtica, no una colla de tecnòcrates que ningú no ha elegit. És un procés d’anys en el qual s’haurien de prendre mesures que ens acostin a aquest nou horitzó, com ara l’impuls del transport públic, la creació de llocs de treball verds o la supressió de la publicitat, que ens invita a no deixar de consumir. Un cop alliberem la gent d’aquest fetitxisme mercantilista, apareixeran les veritables necessitats socials.

Hem d’anar cap a una economia moral?Ho deia William Thompson: «L’economia i la producció han d’estar al servei de les necessitats humanes, no pas del mercat». Jo hi afegiria, però, amb respecte per la naturalesa. Si aconseguim que arreli aquesta nova consciència ecològica i social, podrem esquerdar el capitalisme, que no és totpoderós. Com deia Gramsci, «hem de combinar el pessimisme de la raó amb l’optimisme de la voluntat». I és que hi ha un potencial revolucionari amb el qual es pot assolir un futur millor.

______________________________________________________________________

Carta de saída das nossas organizações (MST, MTD, Consulta Popular e Via Campesina) e do projeto estratégico defendido por elas


• Dentro dos limites de um documento como este, pretendemos esclarecer quais os motivos que nos levaram a tomar a decisão da saída, fazer uma análise do contexto histórico em que ocorre esta decisão e, com base nestes dois aspectos, fazer um diálogo franco com a militância.

São tempos de aparente melhoria das condições de vida da classe trabalhadora no Brasil, pelo menos até à próxima crise. Mas será que está tudo tão bem assim? O resultado do desenvolvimento e crescimento econômico dos últimos anos são migalhas para os trabalhadores e lucros gigantescos para o capital: aumenta a concentração da terra, os trabalhadores se endividam, intensifica-se a precarização do trabalho e a flexibilização de direitos, garantidos pela violência do aparelho repressivo do Estado.

Isto tem sido sustentado por um pacto de colaboração de classes, feito pelas organizações que representam os trabalhadores com o objetivo de contê-los.

O processo histórico que nos produziu
Dois acontecimentos são fundamentais para analisarmos a situação das atuais organizações de esquerda no Brasil: o impacto da queda do muro de Berlim, tão determinante quanto foi a referência da Revolução Russa no século passado, e a reestruturação produtiva do capital.

Nas décadas de 1950 e 60, a principal concepção da esquerda afirmava que para superar o capitalismo no país era fundamental completar o seu desenvolvimento. A ditadura militar interrompe estas lutas, que são retomadas nas décadas de 1970 e 80, diante de uma grande crise para a qual o regime militar não encontrou saída. Ressurgem greves, oposições sindicais e ocupações de terra num novo caráter, mas trazendo em boa medida heranças da estratégia do ciclo anterior.

A CUT e o PT surgem nesse período, questionando o capitalismo e colocando o socialismo no horizonte. Dentro da mesma estratégia, surge logo depois o MST, lutando contra a concentração de terras, pela Reforma Agrária e o Socialismo. Neste período, qualquer luta de caráter popular ou democrático se transformava numa luta contra a ordem, devido ao limite imposto pela ditadura militar.

Baseada na análise de que o capitalismo no Brasil era dependente dos países centrais, tendo como inimigo principal o capital internacional, e uma burguesia comprometida com as oligarquias rurais, que não realizou as tarefas típicas de uma revolução burguesa clássica (“tarefas em atraso”), esse bloco histórico construiu uma estratégia: o Projeto Democrático e Popular. Os trabalhadores organizados e em luta deveriam realizar essas reformas, utilizando a via eleitoral como acúmulo de forças para chegar ao Socialismo.

O PT se construiu como pólo aglutinador desse projeto, junto com outras organizações. As organizações de massa na cidade e no campo - CUT e MST - deveriam cumprir o papel de organizar e desenvolver estas lutas.

Ao crescerem e se desenvolverem, organizações que tinham na sua origem uma postura combativa e táticas radicais (como PT, CUT e MST) vão obtendo vitórias importantes, sobretudo conquistando espaços institucionais, mas também sindicatos, terras, escolas, cooperativas de produção, cooperativas de crédito, convênios com governos, políticas públicas e compensatórias. À medida que cresceram essas organizações, a luta institucional e os espaços institucionais tornaram-se centrais.

Neste cenário surge a Consulta Popular, criticando o PT por ter colocado a centralidade na luta institucional e eleitoral e cada vez menos nas lutas de massas. A CP se apresenta como alternativa na luta por uma Revolução Socialista. Surge também o MTD, a partir da Consulta Popular, inspirado no exemplo do MST, com a tarefa de ser uma ferramenta de luta e organização urbana.

As contradições desse processo
Agora nossas organizações, cada uma a seu tempo e não sem contradições, estão dependentes do capital e seu Estado. As lutas de enfrentamento passaram a ameaçar as alianças políticas do pacto de classes, necessárias para manter os grandes aparelhos que conquistamos e construímos. O que em algum momento nos permitiu resistir e crescer se desenvolveu de tal maneira que se descolou da necessidade das famílias e da luta, adquirindo vida própria. O que viabilizou a luta hoje se vê ameaçado por ela: o que antes impulsionava a luta passa a contê-la.

O MST, até às eleições de 2002, caminhou desenvolvendo suas lutas e enfrentando grandes contradições relacionadas à hegemonia do agronegócio no campo. Nas últimas décadas, houve uma reformulação do papel do Brasil na divisão internacional do trabalho a partir da reestruturação produtiva do capital. O agronegócio promoveu no campo brasileiro mudanças estruturais, integrando latifúndio e indústria sob nova perspectiva de produtividade e o trabalho sob nova ótica de exploração. Este modelo inviabiliza a Reforma Agrária como possibilidade de organização produtiva dos trabalhadores para o campo brasileiro nos marcos do capital.

Com a expansão e o fortalecimento do agronegócio, evidenciaram-se os vínculos dos governos do PT com os setores estratégicos da classe dominante. Alguns elementos confirmam esta análise: a desigualdade de investimentos entre agronegócio e reforma agrária, a aprovação das sementes transgênicas, a expansão da fronteira agrícola e com isso a legalização da grilagem nas terras de até 1500 hectares, a permanência dos atuais índices de produtividade e as recentes alterações no novo código florestal. Nesse sentido, enfrentar as forças do agronegócio seria uma crítica direta ao governo petista, colocando por terra a tese do “governo em disputa”.

Essas transformações ocorridas no campo influenciaram nas formas de organização da vida material de nossa base, cada vez mais proletarizada, exigindo novas formas de organização e luta, que poderiam nos levar a outro patamar. Como opção de enfrentamento a esta realidade, o MST, contraditoriamente, segue idealizando o “camponês autônomo” e os “territórios livres”. Ao mesmo tempo, pactua com segmentos do proletariado rural, como CUT, Contag e Fetraf, com o objetivo de acumular forças contra o agronegócio.

A questão que se coloca é: estas opções nos levarão a outro patamar de luta e organização para enfrentar o agronegócio, dado o grau de comprometimento destas organizações com a estratégia do Governo e do capital?

O MTD, no último período, se reduziu a reivindicar políticas compensatórias, como as Frentes de Trabalho ou Pontos Populares de Trabalho, fechando os olhos para a nova realidade do aumento de empregos e suas contradições. Mesmo quando colocado o desafio da organização sindical, ela não foi implementada, para não ameaçar as atuais alianças políticas e a sobrevivência imediata, reduzindo a pauta à reivindicação de programas de governo para qualificação profissional.

Ao abandonar as lutas de enfrentamento, embora sigamos fazendo mobilizações, nossas lutas passaram a servir para movimentar a massa dentro dos limites da ordem e para ampliar projetos assistencialistas dos governos, legitimando-os e fortalecendo-os. Agora o que as organizações necessitam é de administradores, técnicos e burocratas; e não de militantes que exponham as contradições e impulsionem a luta.

Não é de hoje que existem críticas ao rumo que tomaram estas organizações, não só externas, mas sobretudo críticas elaboradas internamente. E este processo não ocorreu sem resistências por parte da base, militantes e alguns dirigentes. As ações de enfrentamento ao capital que marcaram o último período expressam esse conflito, por exemplo: as ações contra a Vale no Pará, a ação de destruição da Cooperativa de Crédito (Crenhor) no RS e as ações das mulheres no 8 de março em diferentes estados.

Este último processo impulsionou um debate profundo sobre a relação entre o patriarcado e capitalismo, rompendo o limite da questão de gênero e da participação das mulheres nas organizações, e propondo o feminismo e o socialismo juntos como estratégia de emancipação da classe. Todas essas ações sofreram severas críticas internas e passaram a ser boicotadas política e financeiramente.

Estamos há anos fazendo lutas dessa natureza e elaborando essa crítica nas mais diferentes instâncias dos movimentos, e como essas ações não tiveram força nem de provocar o debate da estratégia, quanto menos modificá-la, acabaram por legitimar o rumo das organizações.

Mudança de rumo ou continuidade do projeto estratégico?
A questão fundamental para nós não é só criticar a burocratização, institucionalização, o abandono das lutas de enfrentamento, a política de alianças, que aparecem como um problema nas organizações, mas sim identificar o processo que levou estas organizações políticas a assumirem essa postura. A crítica restrita ao resultado leva a refundar o mesmo processo, cometendo os mesmos erros.

O problema em questão não é que houve uma traição da direção ou um abandono/rebaixamento do projeto político; um erro na escolha das táticas ou dos aliados. A questão fundamental é a contradição entre o objetivo e os caminhos escolhidos para atingir tais objetivos: propúnhamos o Socialismo como objetivo, mas o projeto estratégico que traçamos ou ajudamos a trilhar não nos leva a esse objetivo.

Tal estratégia política não é nova na luta de classes: sua origem está na social-democracia européia de há mais de um século, adaptada às condições históricas do Brasil numa versão rebaixada, que foi reproduzida nas últimas décadas pelo PT e CUT e recentemente por MST/Via Campesina, MTD e CP. Atualmente, se apresenta na forma do Projeto Democrático Popular e Projeto Popular para o Brasil.

A Consulta Popular foi sendo construída negando a experiência do PT: não só porque o PT se transformara em partido eleitoral, mas também pelas conseqüências que essa transformação causou em sua forma organizativa. No entanto, a Consulta Popular não nega o Programa Democrático Popular, sua crítica se limita ao “rebaixamento” do Programa.

Para nós, este é um governo Democrático e Popular. Não da forma idealizada como querem alguns, mas com as concessões necessárias para uma ampla aliança. O PDP deu nisto. Nesse sentido, nossas organizações foram vitoriosas quanto ao que se propuseram. E nós contribuímos com este processo, no entanto hoje percebemos que esta estratégia não leva ao Socialismo, ao contrário, transforma as organizações da classe em colaboradoras da expansão e acumulação do capital. O que se apresenta como uma vitória para nossas organizações, na perspectiva da luta de classe, é uma derrota.

Considerações finais
Diante desta crítica, concluímos que não seria coerente que em nome da luta continuássemos em nossas organizações, implementando um projeto de conciliação de classes.

Somos resultado deste processo histórico, nele constituímos nossa experiência de luta política e formação teórica, mesmo que em geral ativista e pragmática. A crítica no interior do pensamento socialista sempre cumpriu um papel revolucionário e por isto julgamos ser uma tarefa a produção de um pensamento crítico sobre este período de vida das nossas organizações e para isto a apropriação da teoria crítica marxista é urgente. Não podemos querer compreender profundamente nossas contradições dividindo as posições entre “reformistas e revolucionários”, entre “camponeses e urbanos” ou entre “socialistas já e socialistas nunca”, pois assim ajudamos a despolitizar o processo de reflexão.

É preciso considerar que vem se conformando uma ampla aliança política, consolidando um consenso que envolve as principais centrais sindicais e partidos políticos, MST, MTD, Via Campesina, Consulta Popular, em torno de um projeto de desenvolvimento para o Brasil, subordinado às linhas políticas do Governo, conformando assim uma esquerda pró-capital. O grau de comprometimento a que chegamos com o capital e o Estado nos levam a concluir que esse processo não tem volta.

Esse alinhamento político não ocorre sem conseqüências: operam-se mudanças decisivas nas formas organizativas e no plano de lutas das organizações, na formação da consciência de seus militantes e na postura que a organização tomará no momento de ascenso. Neste momento, as “forças acumuladas” não atuarão na perspectiva de ruptura.

Compreender esta conformação da esquerda não significa afirmar a tese sobre o fim da história, e dizer que não há o que fazer. Ao contrário, é preciso atuar na fragmentação da classe para retomar seu movimento na perspectiva de ruptura. Nos propomos a permanecer com a classe, buscando construir a luta contra o capital, seu Estado, o patriarcado, por uma sociedade sem classes.

Compreendemos que não estão geradas as organizações do próximo período, assim como sabemos que não haverá nunca se não houver militantes com iniciativa e dispostos à construí-las.

Os combates que travamos, o trabalho de base, os processos organizativos nos ensinaram muito e nos tornaram o que somos hoje, nos ensinaram a lutar. Seguiremos a partir dessa experiência, aprofundando a crítica e procurando ir além do que nos produziu.

”Aquele que conta ao povo falsas lendas revolucionárias, que o diverte com histórias sedutoras, é tão criminoso quanto o geógrafo que traça falsos mapas para os futuros navegadores”
(Hippolyte Lissagaray – Comuna de Paris)
“As Revoluções são impossíveis… até que se tornem inevitáveis.”

Primavera de 2011

1. Ana Hanauer (MST e CP RS)
2. Bianca (MST RS)
3. Carmen Farias (MST SP)
4. Claudia Ávila (MST RS)
5. Claudia Camatti (MTD RS)
6. Claudio Weschenfelder (MPA SC)
7. Cleber (MTD RS)
8. Darlin (MTD RS)
9. Débora (MTD RS)
10. Eder (MST RS)
11. Ezequiel (MTD RS)
12. Fábio Henrique (MST SP)
13. Fernanda (MTD BSB)
14. Gilson (MST RS)
15. Greice (MTD RS)
16. Irma (MST RS)
17. João Campos (MST SP)
18. João Nélio (MST SP)
19. Jesus (MST RJ)
20. Juarez (MST RS)
21. Jussara (MST SP)
22. Letícia (MTD RS)
23. Lucianinha (MST RS)
24. Luís (MPA SC)
25. Marcia Merisse (MST SP)
26. Marcionei (MTD RS)
27. Maria Irany (MST AL)
28. Maurício do Amaral (MST SP)
29. Michel (MTD DF)
30. Micheline (MST RS)
31. Mila (MST e CP SC)
32. Neiva (MST RS)
33. Nina (MST e CP RS)
34. Oscar (MST RS)
35. Paulinho (MST SP)
36. Pedroso (MST RS)
37. Pincel (MST RS)
38. Portela (MTD RS)
39. Raquel (MST RS)
40. Ricardo Camatti (MTD RS)
41. Salete (MTD RS)
42. Socorro Lima (MST CE)
43. Soraia Soriano (MST SP)
44. Tatiana Oliveira (MST SP)
45. Telma (MST SP)
46. Telmo Moreira (MST RS)
47. Thiago (MTD BSB)
48. Valdir Nascimento (MST SP)
49. Vanderlei Moreira (MST CE)
50. Verinha (MST RS)
51. Zé da Mata (MST SP)

É importante ressaltar que alguns dos que assinam este documento já se afastaram ou foram expulsos das organizações de que faziam parte em 2009 e 2010 sem poderem expor seus motivos, o fazem agora nesta carta.
 

 Polêmica estrada na Amazônia derruba mais um no Gabinete de Morales; protestos ganham força

LA PAZ - O anúncio do presidente Evo Morales de que suspenderá a polêmica construção da estrada que cortará a Amazônia boliviana não foi suficiente para conter a crise política e social em torno do projeto. Nesta terça-feira, mais um membro importante de seu Gabinete deixou o cargo, e indígenas e movimentos cívicos prometem fazer mais protestos.

A rodovia, que conta com um financiamento de US$ 322 milhões do BNDES e atravessa uma reserva indígena, foi motivo no domingo de marchas contra a sua construção, que acabaram em confrontos violentos com a polícia e na detenção momentânea dos manifestantes. A estrada é construída pela empresa brasileira OAS, e deve ligar o Brasil a portos de Chile e Peru, passando pela Bolívia.

O confronto no domingo resultou no pedido de demissão da ministra da Defesa, Cecilia Chacón, que discordou da ação dos policiais. Nesta terça, foi anunciada a saída do vice-ministro do Interior, Marcos Farfán - investigado por supostamente ter dado a ordem para a atuação policial.

Morales tenta minimizar os danos ao mesmo tempo em que perde aos poucos apoio da Igreja, de movimentos cívicos, ambientalistas, indígenas e até da influente COB, a central sindical boliviana. Além de suspender a obra, prometeu um referendo para decidir sobre a construção ou não da estrada, o que foi rapidamente tachado de insuficiente por líderes indígenas.

- As comunidades indígenas já disseram que essa estrada não pode passar por Tipnis. Então, para que fazer esse referendo? Não acreditamos nessa proposta do governo - disse Adolfo Moye, porta-voz do parque nacional Tipnis, na Amazônia boliviana.

Marchas em Beni e La Paz

Após a dispersão no fim de semana, os cerca de 2 mil indígenas que caminham desde 15 de agosto rumo a La Paz, contra a obra, estão se reagrupando em San Borja e Rurrenabaque, no departamento de Beni (noroeste). Eles esperam retomar o protesto em breve.

Também em Beni um comitê cívico iniciou uma greve contra a atuação da polícia contra o protesto - pela qual ninguém ainda assumiu responsabilidade e que foi criticada até pelo próprio Morales.

"Essa operação realizada nos arredores de Yucumo no domingo não contou com a instrução do presidente, nem com a ordem do ministro de Governo", disseram os ministros da Presidência, Carlos Romero, e do Interior, Sacha Llorenti, em comunicado lido em entrevista coletiva.

Em La Paz, universitários e ativistas preparam um protesto para esta terça-feira em apoio à marcha indígena em Beni.

O conflito acontece três semanas antes de uma eleição para cargos do Judiciário impulsionada por Morales como uma de suas principais reformas e rejeitada pela oposição conservadora, que faz campanha para o voto nulo.

O líder esquerdista enfrentou protestos violentos nos últimos anos, mas não tinha encontrado até agora com um protesto radical por grupos indígenas, que ele diz representar.

 

Os absurdos do Brasil

 Liminar concedida à MONSANTO recolhe cartilha sobre produtos orgânicos!

Cartilha "O Olho do Consumidor" foi produzida pelo Ministério da Agricultura, com arte do Ziraldo, para divulgar a criação do selo do SISORG (Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica) (ver abaixo a cartilha em PDF!)

 

Para padronizar, identificar e valorizar produtos orgânicos, orientando o consumidor. Infelizmente, a multinacional de sementes transgênicas e agrotóxicos Monsanto, obteve uma liminar em mandado de segurança que impediu sua distribuição. O arquivo foi inclusive retirado do site do Ministério (o link está "vazio").

 

SE VOCÊ CONSIDERA OS PRODUTOS ORGÂNICOS (em alta no mundo inteiro) NECESSÁRIOS PARA NOSSA SAÚDE, DIMINUINDO OS RISCOS DE DOENÇAS, ENTRE ELAS O CANCER,

 

 

Mobilização Indígena do RS em Prol da Saúde dos Povos 

Os caciques e comunidades indígenas Kaingang do Estado do Rio Grande do Sul estão fazendo esta mobilização para sensibilizar as autoridades e a sociedade civil sobre a exclusão dos indígenas por parte da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI/Ministério da Saúde).

 

Os caciques e lideranças Kaingang das seguintes aldeias estiveram reunidos na Terra Indígena Serrinha nos dia 04 e 05 de agosto:TI Serrinha, TI Nonoai, TI Monte Caseiros, TI Irai, TI Inhacorá, TI Ligeiro, TI Votouro, TI Kandoia, TI Campo do Meio, TI Mato Castelhano, TI Rio da Várzea, TI Água Santa, TI Rio dos Índios, TI Guarita, TI Ventarra, TI  Morro do Osso, TI Lajeado, TI Lomba do Pinheiro, TI Cacique Doble, TI Estrela, TI Farroupilha, TI São Leopoldo, TI Xingu, TI Lajeado do Bugre.

Nesta reunião criaram uma comissão denominada Pró – DSEI que está coordenando a discussão, avaliação e acompanhamento do processo de criação e implantação do DSEI – Rio Grande do Sul

No dia 08 de agosto foram bloqueados 8 pontos nas estradas do RS, ou seja:

1- BR 386 em Estrela (participam as aldeia Kaingang de Lajeado, Estrela, Morro do Osso e Lomba do Pinheiro/Porto Alegre, São Leopoldo e Farroupilha);

2- TI Iraí;

3- TI Serrinha;

4- TI Nonoai;

5- TI Ventara;

6- TI Cacique Doublé;

7- TI Votouro

8- TI Guarita

O movimento seguiu à noite e continua no dia de hoje (09/08).

As rodovias continuam fechadas até que o Secretário da SESAI (Ministério da Saúde), Antônio Alves de Souza, venha para uma reunião no RS.

 

FORUM GAUCHO EM DEFESA DO CODIGO FLORESTAL BRASILEIRO

 

  Ilustríssima Senadora Marinor Brito:   As entidades e cidadãos que compõem o Fórum Gaucho em Defesa do Código Florestal Brasileiro, numa atividade em conjunto com o Projeto de Extensão “Viveiros Comunitários” do Curso de Biologia da UFRGS, ao cumprimentá-la, convindam-na para o debate que estaremos promovendo na qual foram convidados também os Senadores Ana Amélia Lemos, Pedro Simon e Paulo Paim, tendo como painelistas os Professores Luiz Zarref Gomes de Moura, Valério Pillar e Paulo Brack,  a respeito da proposta de alteração do Código Florestal Brasileiro,  atualmente em tramitação junto ao Senado Federal, que se realizará no dia 15 de agosto do corrente ano, no salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Av. João Pessoa nº 80, nesta Capital, com início às 18 horas e 30 minutos.  

 

Porto Alegre, 04 de agosto de 2011.

Prof. Antônio Ruas

P /  FORUM GAUCHO EM DEFESA DO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

 

 Precisamos parar Belo Monte, de qualquer maneira. Trata-se do maio descalabro ecológico da atualidade e do maior extermínio culutural indígena que assistimos, ainda sem força para barrar a tragédia!

A respeito do debate sobre a oportunidade de organizar-se um seminário sobre as alterações nefastas no Código Florestal, algumas opiniões no movimento ambiental geral apareceram contrárias a qualquer debate. Neste sentido, segue o texto abaixo.

O novo ambientalismo de resultados e o seminário sobre o Código Florestal

A promoção de um debate aberto e esclarecedor na forma de seminário e com um legado claro, o manifesto final, não é “academicismo” de forma alguma, porque tem o sentido político do legado da informação visando um processo educativo permanente. Gramsci colocava o processo educativo como algo extremamente importante na atividade socialista e Paulo Freire resgatou o processo educativo dialogado como formação de atitudes revolucionárias nas classes populares.

A informação e mesmo o conflito teórico são fundamentais para a clareza do que fazer na prática. Um obreirismo simplificador de “ações sem muita discussão” é, neste contexto, claramente reducionista e potencialmente manipulador das massas. Lembra o discurso estalinista, de crítica à  qualquer intelectualidade não engajada aos seus interesses e seguidista. No extremo desta prática, Pol Pot mandava eliminar professores e graduados quaisquer que fossem e Mao simplificava o marxismo com o livrinho vermelho, que era tudo o que as massas precisavam saber. No outro lado, correntes fascistas sempre rejeitaram o debate e o conflito de idéias, o que se observa concretamente ainda hoje com o social fascismo de vários regimes políticos ultra-autoritários.Mas, o que as correntes de debate e movimento sobre questões ambientais tem a ver com isto? E o Código Florestal?

O fato é que podemos esperar do chamado ambientalismo neutro, o viés comum do movimento, uma redução do debate em geral, a sua despolitização (“somos apolíticos”, “somos apartidários”) e o descolamento das responsabilidades dos sistemas econômicos, vale dizer do capitalismo. No viés ambientalista comum, “cada um faz a sua parte” para salvar a natureza. Os segmentos, as classes, os interesses econômicos não contam e, muito menos, se discute quem salva o que e para que. Neste viés, empresários e capitalistas trocando commodities verdes não se diferenciam em absoluto de trabalhadores, povos tradicionais, excluídos da sociedade e seus aliados reivindicando o socialismo com a defesa dos recursos naturais para a sua geração e para as próximas e, além disto, respeitando a biodiversidade como valor em si. Os investimentos para o desenvolvimento “limpo” agradam estes ambientalistas, mesmo que sejam ações no mercado de carbono, compensações ambientais de quem devasta ou a compra de áreas naturais em biomas em perigo para vender logo ali. Tudo para o acúmulo de capital, ações no mercado de carbono, privatização da energia eólica ou solar, etc. Tudo que vai resultar mais adiante em miserabilidade e na mesma destruição da natureza, assim que as commodities sejam trocadas no mercado do capital. Ou seja, nada mais enganador do que esta posição e mesmo assim esta corrente do ambientalismo neutro não questiona e não questionará.

Como se isto não bastasse, aparece agora um aliado deste ambientalismo neutro e refém do capitalismo, um certo “obreirismo ambientalista” que coloca que “não temos que debater, temos que ir para a rua para ações de massa”. Ora, a quem serve este rebaixamento? Para alguma manifestação pública sem conteúdo político algum, para mostrar que estamos preocupados? Ora, para isto, dever-se-ia chamar os próprios promotores do processo capitalista e destrutivo que eles participarão, mesmo que seja para ridicularizar depois. Fantástico, irreal? Nada disto. Em recente manifestação contra a destruição da sede da AGAPAN, o próprio representante do poder executivo responsável pelo ato estava presente para se engajar. Aliás, disse claramente “estou aqui porque sou ambientalista!” Todos estes são “ambientalistas” se perguntados e, ao mesmo tempo, todos estes assinarão qualquer decreto ou mudança no Código Florestal que lhes dê lucro ou poder à sua classe, se tiverem oportunidade.

Assim, o ambientalismo neutro vai recebendo o apoio dos capitalistas e, agora, do “ambientalismo de resultados”, que é este: prático e direto ao ponto e às ruas.

Pergunta-se, também indo direto ao ponto: “às ruas a serviço de quem?”

 

 

 

 
Marx e a natureza.pdf Marx e a natureza.pdf
Size : 88.337 Kb
Type : pdf

Quem sou eu?

Professor Universitário e Sanitarista, iniciou a militância na luta ecológica na década de 1970, como estudante na UFRGS, na AGAPAN, na luta contra o Pólo Petroquímico, na implantação do Parque de Itapuã e na Associação Nacional de Apoio ao Índio. Foi presidente dos Diretórios Acadêmicos da Biologia e da Veterinária, impulsionando a causa ecológica. Fez o Mestrado na Inglaterra e Doutorado na PUCRS. Lecionou na UPF por 5 anos e é sanitarista concursado na Secretaria Estadual de Saúde. Na UERGS lecionou na administração em saúde, produção pesqueira e gestão ambiental, da qual foi paraninfo. Defendeu a estatização completa da instituição e o direito a um sindicato próprio e a representa no Conselho Estadual dos Povos Indígenas. Filiou-se ao PSOL em 2006 e em 2008 assumiu a Secretaria de Assuntos Ambientais no Diretório Municipal de Porto Alegre. Lutou contra o projeto do Pontal do Estaleiro, contra a entrega da área da FASE às construtoras e contra a privatização do Cais Mauá. Em 2009 ingressou no Núcleo Ecossocialista do PSOL. Junto com os excluídos, agricultores sem terra, indígenas e quilombolas luta pelo meio ambiente, pelas gerações atuais e futuras, pelo ecossocialismo. 

Antônio Ruas no Twitter Follow antonio_ruas on Twitter